segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Arte plumária

A arte plumária não há nenhuma utilidade, apenas para a busca da pura beleza. Mas para muitas tribos, a arte estabelece a comunicação entre seres humanos e o universo. Sua beleza se manifesta da dança e dos ritos cerimoniais. Para algumas tribos, a força mágica é atribuída às penas de pássaro. Tribos dos cerrados fazem trabalhos majestosos e grandes, como os diademas dos índios Bororo ou os adornos de corpo, dos Kayapó. As tribos silvícolas como a dos Munduruku e dos Kaapor fazem peças mais delicadas, sobre faixas de tecidos de algodão. Aqui, a maior preocupação é com o colorido e a combinação dos matizes. As penas geralmente são sobrepostas em camadas, como nas asas dos pássaros. Esse trabalho exige uma cuidadosa execução.
A matéria prima são as seguintes:

• Penas: são retiradas das assas e da calda do pássaro.

• Plumas: se localiza na costa e no peito da ave.

• Plumagem: encontra-se no pescoço, nas costas e no peito das aves.


Coifa da tribo guarani. Acervo do Mudeu de Arqueologia e Etnologia da USP. As cores predominantes são o preto, amarelo e laranja, criando uma combinação de cores.

Cocar feito com penas de japu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário